Bem Querer

Maria Helena Campos Pereira

A mesma estrada de antes, que hoje estou a passar,
Revela espírito divino, e azul celeste no ar,
E novas matas que vão junto ao caminhar,
O vento lento a soprar e a verde relva abanar.

O algodão doce no céu, com várias formas se vê,
Parece impor seu retrato ao sopro do criador.
Não canso de observar, flocos no céu a bailar,
Cãozinhos e carneirinhos, que cobrem um céu azul mar.

O caminho continua malmequer, bem-me-quer.
Em Oliveiras, o ponto certo, tapete negro a passear,
É arte do grande autor, carpete estético e natural
Colore de ouro e lilás, a minha visão ao olhar.

Carro vai, carro vem, num indo e vindo muito além,
Ao cair da tarde, um amplo esplendor,
O grande rei, entre as montanhas se esconde,
Prova de que nada se iguala à obra do Criador

Algo parece dizer não vá, mas é mistério divino,
Brilho enigmático e exuberante, aos céus responde.
Artifício do Onipotente, quem sou eu pra te deter?
Energia inexplicável bem me quer e bem querer.

______________
¹ CAMPOS, P. Maria Helena. Bem querer. Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil: Universidade Presidente Antônio Carlos- UNIPAC/GV, 03/01/2015. Professora de Filosofia para crianças e adolescentes e Gestão de processos educativos.  O poema reflete a bem querência, dos povos em todas as nações.

Este post foi publicado em Uncategorized em por .

Sobre Maria Helena Campos Pereira

Graduada em Pedagogia com registro em Matérias Pedagógicas: Psicologia Educacional, História da Educação e Didática. Pós graduada em em Planejamento Educacional, Supervisão e Inspeção Escolar. Mestre em Ciências da Educação e Doutoranda em Educação. Ministra palestras e cursos sobre Gestão Escolar, Filosofia para crianças, jovens e adolescentes com foco nas vivências interdisciplinares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.